4 tendências alimentares para 2023

Fonte Forbes 

A consultoria global de alimentos e restaurantes Baum + Whiteman mergulhou profundamente em sua mais recente previsão de tendências de alimentos e bebidas – escolhendo, acredite, o pistache como a noz do ano, além de explorar as possibilidades de uma possível recessão global.

Confira alguns dos destaques do relatório de tendências alimentares para 2023:

Tendência nº 1: impacto crescente da inteligência artificial

Além dos servidores robôs ou cozinheiros, observe o crescente impacto da IA (inteligência artificial) ​​na sua comida. Em termos de apresentação, há mais impasses sobre como o gerador de imagens na Inteligência Artificial cria diferentes imagens e estilos de comida. O resultado é algo entre a fantasia e a realidade, como os donuts mostrados pelo desenvolvedor israelense Omri Feinstein. Quanto às operações, as IAs de aprendizado de máquina servirão mais como gerentes de restaurantes. Eles executarão tarefas como determinar a quantidade de produtos a serem cortados com base no clima do dia, atender chamadas telefônicas e transferir uma máquina de lavar louça para a estação de preparação de vegetais.

Tendência nº 2: ascensão de clubes de jantar privados

Espere um boom de clubes e restaurantes de membros ultra luxuosos que são “públicos” apenas no nome, como mansões convertidas em clubes e restaurantes NFT com altas taxas de adesão. Esses clubes não são os colegiados tradicionais, como Harvard e Yale, mas locais centrados em comida e bebida voltados para aqueles que podem desembolsar até US$ 500 mil (R$ 2,5 milhões na cotação atual) para se tornar sócio – mais um gasto mensal robusto em comida, bebida e serviços reais.

Tendência nº 3: a popularidade diminui para alimentos à base de plantas

O mercado falou. Com uma queda de cerca de 10% nas vendas de carne artificial em supermercados, em volume no ano passado, e o preço das ações da Beyond Meat despencando de US$ 108 (R$ 550) para cerca de US$ 12 (R$ 61), as pessoas estão optando por alimentos à base de plantas. Entre as razões estão o preço, o sabor, o crescente ceticismo sobre os alegados benefícios à saúde e, mais importante, os rótulos complexos – que indicam que se trata de alimentos ultraprocessados.

Mas não espere que a tendência verde acabe. Cadeias à base de plantas ainda estão lançando e atraindo longas filas, e dezenas de fabricantes alternativos de proteínas estão recebendo bilhões em financiamento. “Carnes híbridas” que combinam carnes cultivadas e falsas à base de plantas podem mudar o jogo. Com seu “halo de saúde” e sabor mais próximo do real, essas proteínas híbridas podem ajudar a reavivar o interesse das pessoas por alimentos à base de plantas.

Tendência nº 4: Retirada em vez de entrega 

Espere que mais pessoas peguem seus alimentos, pois os temores inflacionários e as taxas de entrega continuam aumentando. Para o fator push, a experiência do aplicativo de entrega é instável para alguns. Com os entregadores escolhendo quais clientes priorizar, com base na sinalização de certos aplicativos de gorjetas generosas ou ruins, alguns podem até achar que seus pedidos estão sendo desprezados por completo. Quanto à atração, os restaurantes e cadeias fast-food melhoram sua eficiência construindo mais rotas de coleta e lojas somente para retirada, para que os clientes economizem tempo e dinheiro em até 30-50%. Além disso, não vamos esquecer os preços altos, especialmente quando estamos falando de taxas de entrega de comida. À medida que mais empresas colocam esse preço dinâmico à prova, não se surpreenda com a reação do consumidor e uma mudança ainda mais rápida para as rotas de retirada.

*Eustacia Huen colabora com a Forbes EUA. Também escreve para o The Washington Post, The Wall Street Journal Asia, Business Insider Prime, Popular Science entre outros. 

Leia mais

Search

Notícias Relacionadas