Dieta pobre em proteínas e rica em processados leva a comer demais

Pesquisa reforça a ideia de que as pessoas são levadas a comer mais e de forma menos saudável para satisfazer a necessidade de proteína do corpo

Robert Hart / Forbes

 

O baixo teor de proteína de alimentos altamente processados, como refrigerantes, salgadinhos e fast food, pode ser a chave para entender por que eles estão alimentando as taxas crescentes de obesidade no mundo ocidental, de acordo com pesquisa publicada na revista científica Obesity. O artigo ressalta o papel central da proteína na crescente crise de saúde pública e possíveis intervenções que podem ajudar as pessoas a se alimentarem melhor.

A quantidade de proteína ingerida durante a primeira refeição do dia tem uma profunda influência sobre o que as pessoas passaram a comer nas refeições subsequentes, descobriram pesquisadores, de acordo com um estudo de dados de pesquisa nacional autorrelatados sobre nutrição e atividade física abrangendo mais de 9.300 australianos. Aqueles que consumiram níveis mais altos de proteína no início do dia tiveram uma ingestão total de energia (calorias) menor – energia além do que o corpo precisa é armazenada geralmente como gordura – ao longo do dia, em comparação com aqueles que consumiram níveis mais baixos de proteína durante a primeira refeição, mostra a pesquisa.

Aqueles que comiam baixos níveis de proteína na primeira refeição comiam mais nas refeições subsequentes e tendiam a comer mais alimentos processados ​​com alta densidade calórica, ricos em gorduras saturadas, açúcares, sal ou álcool, descobriram os pesquisadores, além de comer menos alimentos dos grupos recomendados, como grãos, vegetais e frutas.

Isso diminuiu ainda mais a proporção de energia obtida das proteínas, disseram os pesquisadores, pois esses alimentos ultraprocessados são tipicamente fontes pobres do macronutriente, um efeito chamado de “diluição de proteína”.

A descoberta reforça a ideia de que a proteína é um fator-chave do apetite humano e da epidemia de obesidade, disseram os pesquisadores, sugerindo que as pessoas são levadas a comer mais e comer de forma menos saudável para satisfazer a necessidade de proteína do corpo.

David Raubenheimer, professor da Universidade de Sydney envolvido na pesquisa, disse que está “cada vez mais claro que nossos corpos comem para satisfazer um alvo proteico”, descrevendo a descoberta como um “insight revolucionário” na compreensão da nutrição humana e dos impulsionadores da proteína. obesidade.

A obesidade – definida como excesso de peso, geralmente de gordura, além do que é considerado saudável para uma determinada altura – é amplamente reconhecida como um dos principais problemas de saúde pública da era moderna. Além das tensões que o excesso de peso pode impor diretamente ao corpo, ele está ligado a uma vida útil mais curta e a grandes problemas de saúde, como doenças cardíacas, câncer e diabetes.

Sabe-se que a obesidade prejudica o sistema imunológico e pode tornar as pessoas mais vulneráveis ​​a resultados graves para várias outras doenças, incluindo a Covid-19, em que pode triplicar o risco de hospitalização. Mais de um terço dos adultos nos EUA são obesos, segundo o CDC, ou seja, mais de 72 milhões de pessoas. Ainda mais pessoas são consideradas acima do peso, em quantidades também associadas a riscos à saúde.

Os americanos negros e hispânicos têm taxas de obesidade muito mais altas do que os americanos brancos, por exemplo, diz o CDC. A obesidade também é um problema crescente e significativo entre as crianças, afetando cerca de 1 em cada 5.

O grande número

US$ 173 bilhões. Esse é o custo estimado da obesidade para o sistema de saúde dos EUA a cada ano, de acordo com pesquisa citada pelo CDC. Os custos médicos para adultos obesos foram US$ 1.861 mais altos do que os custos para adultos com peso saudável, descobriram os pesquisadores, chegando a quase US$ 3.100 para aqueles com obesidade grave. Crianças com obesidade e obesidade grave tiveram custos médicos mais altos em US$ 116 e US$ 310 por ano, estimaram eles, totalizando US$ 1,3 bilhão em gastos médicos por ano.

Fato surpreendente

A obesidade é mais do que apenas uma ameaça à saúde pública, é também uma ameaça à segurança nacional. Os líderes militares e o CDC alertam que altos níveis de obesidade e inatividade física, principalmente entre os jovens adultos, dificultam a capacidade do país de reunir poder militar. Apenas 2 em cada 5 jovens adultos com idades entre 17 e 24 anos são capazes de participar do treinamento básico, disse o CDC. Pouco mais de 1 em cada 3 é pesado demais para o serviço militar e, dos elegíveis, apenas 3 em cada 4 relatam níveis de atividade física que os preparariam para o treinamento básico, disse a agência. A questão está aumentando os problemas para os recrutadores militares, que estão lutando para atingir as metas da Geração Z, e custa ao Departamento de Defesa cerca de US$ 1,5 bilhão em custos de saúde relacionados a cada ano.

Leia mais clicando aqui.

Search

Notícias Relacionadas