Alergênicos: Com quais alimentos você deve se preocupar?

vitaminas

Alguns alimentos podem ser perigosos para as pessoas que apresentam alergias, resultando em reações nem um pouco agradáveis. Você sabia que algumas substâncias estão presentes em remédios e vacinas? Portanto, leia abaixo quais são os alimentos alergênicos mais comuns.

 

Alimentos alergênicos que devem ser controlados e informados segundo a legislação brasileira

 

                                        Relação de alergênicos controlados segundo RDC26/2015 da ANVISA

indústria de alimentos

 

                                                                            Fonte: RDC 26/2015

Vamos falar um pouco sobre alguns destes alimentos, vinculados a muitos casos de reações alérgicas no Brasil e no mundo. 

Leite

alergênicos

A alergia ao leite envolve mecanismos imunológicos contra as proteínas do leite (caseína, alfa-lactoalbumina, beta-lactoglobulina). Os leites de vaca, de ovelha e de cabra podem causar reação e os sintomas incluem problemas digestivos, vômitos e urticárias. O principal tratamento é evitar a proteína do leite.

 

Cerca de 2 a 3% das crianças com menos de 3 anos de idade são diagnosticadas com alergia ao leite. Quase todos os bebês que desenvolvem alergia a leite a adquirem em seu primeiro ano de vida, mas cerca de 80% são propensos a superar essa alergia. No entanto, as pesquisas também sugerem que as crianças estão superando essa alergia com mais lentidão que antes, e muitas ainda são alérgicas após os 5 anos de idade.

 

Vale ressaltarmos que o diagnóstico de alergia não é algo simples, requer exames e investigações que demandam tempo e muitos exames para que se tenha certeza do diagnóstico.

 

Os principais sintomas relacionados a reação alérgica a produtos lácteos são:

 

  • Chiado leve ou tosse
  • Vômito
  • Erupções/brotoejas
  • Fezes com sangue (especialmente em bebês)
  • Sintomas digestivos

 

Ovos 

A alergia ao ovo é uma reação adversa causada por um mecanismo imunológico contra as proteínas do ovo e que ocorre após ingestão ou contato com ovo nas pessoas que desenvolveram IgEs específicas para este alimento.

Reações alérgicas ao ovo variam de pessoa para pessoa e podem ocorrer de alguns minutos a algumas horas após a ingestão. 

Os sinais e os sintomas de alergia a ovo incluem:    

  • Erupções cutâneas/urticária
  • Congestão nasal (rara)
  • Chiados leves e tosse (raros) 
  • Sintomas digestivos (por exemplo dor de estômago, diarreia e náusea)
  • Vômito

O ovo pode estar presente em sorvetes, sopas enlatadas, molhos, pães e massas. Além disso, Ovos também podem ser encontrados em alguns medicamentos e vacinas. 

 

Peixes e Crustáceos

alergênicos

Infelizmente, alguns amantes dos frutos do mar têm grandes chances de desenvolver alergia a peixes e crustáceos. 

Peixes e crustáceos são biologicamente diferentes, portanto, os peixes podem não causar uma reação alérgica em uma pessoa com alergia a crustáceos, ou vice-versa.

Na alergia a peixes e crustáceos, o sistema imunológico identifica algo com que você entra em contato como prejudicial. Quando você é alérgico e come peixes ou crustáceos, seu sistema imunológico libera histaminas, que causam seus sintomas alérgicos.

Os frutos do mar, incluindo peixes e crustáceos, podem ser um ingrediente oculto em muitos alimentos e até mesmo remédios para crescimento capilar, por isso, é importante ler o rótulo ou perguntar antes de comprar ou comer certos alimentos. 

A alergia a peixes e crustáceos é incomum, mas grave: a alergia pode resultar em anafilaxia, uma reação alérgica possivelmente fatal. Muitas pessoas desenvolvem essa alergia já adultas (60% das alergias a mariscos e 40% das alergias a peixe começaram na vida adulta) e suas reações podem ser graves. Essas alergias podem ser causadas por frutos do mar que você já comeu antes sem problemas; mas, uma vez que você desenvolve uma alergia desse tipo, geralmente a terá por toda a vida.

 

Os sintomas da alergia a peixes e crustáceos podem incluir:

  • Chiado leve ou tosse
  • Coceira na boca
  • Vômito
  • Coceira intensa
  • Erupções cutâneas (eczema)
  • Inchaço da face
  • Aparência pálida/avermelhada
  • Sintomas de anafilaxia
  • Sintomas digestivos (por exemplo, dores estomacais, diarréia, náusea)

 

Amendoim

A alergia ao amendoim é comum e ocorre em crianças e adultos. Nesse caso, o sistema imunológico identifica as proteínas do amendoim como prejudiciais. Quando uma pessoa entra em contato com o alimento, seu sistema imunológico reage e libera histaminas, causando a reação alérgica.

Além disso, geralmente, a alergia a amendoim dura por toda a vida — somente cerca de 20% das pessoas com essa alergia conseguem superá-la. Algumas pessoas, que eventualmente acabaram conseguindo se livrar dessa alergia, já tiveram reações graves a amendoim. Assim, a gravidade de sua reação não significa que você não vai superar a alergia.

Geralmente, as reações alérgicas a amendoim são a causa mais comum de anafilaxia fatal induzida por alimentos, e os grupos de maior risco são adolescentes com asma

Os sintomas da anafilaxia são dificuldade para respirar, inchaço na garganta, queda súbita de pressão arterial, pele pálida ou lábios azulados, desmaio e tontura. 

Os sintoma menos graves são:

  • Náusea
  • Coceira ou urticária
  • Nariz congestionado ou secreção

Como saber se tenho alergia a algum alimento?

Ao apresentar sintomas após a ingestão de alimentos é necessário saber se é alérgico ou não. Alguns testes podem te ajudar como testes de leitura imediata e de contato com a pele, exames laboratoriais de IgE total e IgE específica no sangue e testes de provocação. Lembrando que apenas um bom médico, realizando as investigações e exames corretos será capaz de diagnosticar com precisão o quadro de alergia.

Saiba a diferença entre alergia alimentar e intolerância alimentar

Qual o papel do consumidor em relação aos alergênicos ?

O consumidor deve estar atento aos alimentos que compra e que consome no dia a dia, principalmente fora de casa. É preciso saber todas as informações contidas nos rótulos e estar ciente se o lugar que você se alimenta se preocupa com o preparo dos alimentos.

Os pais devem tomar cuidado ao inserir estes alimentos na dieta das crianças, avaliando se ao ingerir determinado alimento alguma reação adversa é desencadeada, principalmente daqueles alimentos que desencadeiam reações graves como a anafilaxia. É extremamente importante que os pais procurem médicos especialistas  para diagnosticar corretamente as alergias e também as intolerâncias alimentares, pois, restringir a alimentação de algum alimento sem a devida necessidade poderá acarretar reais desconfortos ou problemas futuros.

Saiba também qual o papel da indústria no gerenciamento de alergênicos

 

Referências: 

 

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução – RDC nº 26, de 2 de jul. 2015. Dispõe sobre os requisitos para rotulagem obrigatória dos principais alimentos que causam alergias alimentares. Diário Oficial da União. Brasília, DF, Seção 1, 3. Jul, 2015.

Lifschitz, C and Szajewska H. Cow’s milk allergy: evidence-based diagnosis and management for the practitioner.  Eur J Pediatr 2015; 174:141-15.

Sampson, HA. 9. Food Allergy. J Allergy Clin Immunol;2003; 111(2Supl.): S540-7

Turner P, et al. Seafood allergy in children: a descriptive study. Ann Allergy Asthma Immunol. 2011; 106(6)494-501.

Sampson HA, Mendelson LM, Rosen JP. Fatal and near-fatal anaphylactic reactions to food in children and adolescents. N Engl J Med. 1992;327:380 –384. (III)

 

 

 

 

Search

Artigos Relacionadas

Exemplos de APPCC para Carnes

Por: Keli Lima Neves Em todos os meus treinamentos sobre APPCC, sempre deixo claro que não há uma receita para construção do Sistema de APPCC.

Agenda ANVISA 2024-2025

Por: Keli Lima Neves Para você se preparar com os temas que serão trabalhados pela ANVISA em 2024 e que podem trazer alterações nas práticas

A BRQuality é uma empresa focada em desenvolver soluções criativas junto aos seus clientes, oferecendo treinamentos e consultorias personalizados, desmistificando e descomplicando o que parece difícil, deixando as equipes preparadas para dar continuidade nos programas e entender sua interação na cadeia de alimentos de forma responsável.