Intolerância a lactose – o que eu posso comer?

Por: Nayara Cantarino Barbosa

 

A lactose é um dos principais componentes do leite, sendo um carboidrato de grande importância fisiológica, contribuindo com a absorção de minerais e na utilização de vitamina D, entretanto, a enzima responsável pela sua digestão e absorção, a lactase, não é produzida ou não está em quantidade adequada no organismo para todos os indivíduos, o que acarreta numa sensibilidade conhecida como Intolerância à Lactose.

A intolerância pode ocorrer de diversas formas, sendo a mais comum pela redução natural da produção de lactase pelo organismo à medida que se envelhece, mas também pode ser causada por fatores genéticos ou por processos inflamatórios do intestino provocados por bactérias. Seus sintomas mais comuns são: dor abdominal, distensão intestinal, ruídos estomacais e flatulência, e apesar deles serem similares aos de diversos distúrbios gastrointestinais, existe uma certa confusão com a alergia ao leite de vaca, que é uma resposta imunológica reativa às proteínas presentes no leite de vaca e que causa inchaço, coceira, manchas na pele e outras manifestações, sendo necessária a eliminação dos lácteos da dieta.

Em indivíduos intolerantes à lactose, o consumo dos derivados lácteos pode ser mantido por meio de uma “gestão”, já que ela pode mudar ao longo do tempo e de acordo com o estado de saúde da pessoa. O teor de lactose nos produtos é bastante variável, e em alguns deles, como o iogurte, existem culturas vivas e ativas que auxiliam na sua digestão. Na tabela abaixo se pode observar a variação do teor de lactose em cada produto lácteo.

 

Produto lácteo g de lactose/100 g de produto
Leite sem lactose 0
Margarina 0 – 1
Manteiga 0,7
Achocolatado 0,1 – 3
Queijo cottage com baixo teor de gordura 0,1 – 3
Iogurte 3
Leite integral ou desnatado 5
Sorvete a base de leite 7
Leite condensado 9,5
Achocolatado 9,5
Leite em pó 38 – 52

 

Além da gestão do consumo de produtos lácteos,outros meios de ingestão de lácteos para indivíduos intolerantes são:

  • Produtos sem lactose – exceto para diabéticos, já que a lactose é transformada em glicose e galactose;
  • Consumo dos lácteos com alimentos sólidos, pois eles reduzem a velocidade de digestão e, por conseguinte, permitem que o organismo tenha mais tempo para digerir a lactose;
  • Experimentar diferentes produtos lácteos a fim de determinar aqueles que causam problemas e as quantidades que não causam;
  • Ingestão da enzima lactase, que existe no mercado em diferentes formas a fim de ser ingerida ou adicionada ao alimento antes do consumo.

O consumo de lácteos, de acordo com a Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição é de extrema importância para a manutenção da saúde, sendo recomendado o consumo diário de três porções, portanto busque formas de inclui-lo na sua rotina diária, sendo um copo de leite comum, um pedaço de queijo ou um copo de leite sem lactose. O importante é manter o bom funcionamento do organismo por meio de uma boa alimentação e de preferência com boas doses de leite!

 

Referências

Mattar, Rejane; Mazo, Daniel Ferraz de Campos. Intolerância à lactose: mudança de paradigmas com a biologia molecular. Rev. Assoc. Med. Brasil., vol. 56, nº 2, São Paulo, 2010.

Barbosa, Nathalia Emanuelle de Almeida; Ferreira, Nayane Catarina de Jesus; Vieira, Thaynah Luiza Elmescany; Brito, Ana Paula Santos Oliveira; Garcia, Hamilton Cezar Rocha. Intolerância à lactose: revisão sistemática. Pará Research Medical Journal, v. 33 (4), 2020.

Batista, Raíssa Aparecida Borges; Assunção, Dyessa Cardoso Bernardes; Penaforte, Fernanda Rodrigues de Oliveira; Japur, Camila Cremonezi.  Lactose em alimentos industrializados: avaliação da disponibilidade da informação de quantidade. Ciênc. Saúde Colet., v. 23 (12), 2018.

Rodrigues, Raquel Maria Cury. Mitos e verdades sobre a intolerância à lactose. DSM Food Specialties.