REDUÇÃO DE CONSUMO DE SÓDIO

 

1. Redução de consumo de sódio

 

1.1. Boas Práticas Nutricionais

As Boas Práticas Nutricionais (BPN) são medidas que visam orientar os serviços de alimentação (estabelecimento onde o alimento é manipulado, preparado, armazenado e / ou exposto à venda) na preparação de alimentos com menores teores de açúcar, gordura trans, gordura saturada e sódio, contribuindo para uma alimentação mais saudável.

As BPNs surgiram a partir da necessidade de melhoria do perfil nutricional dos alimentos. O sódio, por exemplo, contribui para o aparecimento das Doenças Crônicas não Transmissíveis (DCNT) – como a pressão alta, doenças cardiovasculares e doenças renais –, que atualmente são um dos principais problemas de saúde pública do Brasil.

A adoção das Boas Práticas Nutricionais é voluntária e vem sendo acordada entre o Ministério da Saúde e o setor produtivo.

 

1.1.1. Guias de Boas Práticas Nutricionais

A Anvisa disponibilizou no seu portal (www.anvisa.gov.br), em Alimentos (menu “proteção à saúde”, à esquerda da página) > Boas Práticas Nutricionais (menu “assuntos de interesse”), um documento de referência para elaboração de Guias de Boas Práticas Nutricionais, que apresenta modelo para elaboração de guias específicos para o preparo de alimentos. O documento contempla as etapas críticas do preparo do alimento a serem controladas sob o ponto de vista nutricional, os ingredientes empregados na formulação, suas funções e a composição nutricional do produto.]

 

1.1.1.1. Guia de Boas Práticas Nutricionais para Pão Francês

Na página eletrônica da Agência também pode ser encontrado o Guia de Boas Práticas Nutricionais para Pão Francês.

 

1.2. Por que reduzir o consumo de sódio?

O brasileiro consome em média 12g de sal por dia. A recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) é de apenas 5g por dia (1 colher de chá), o que corresponde a 2.000mg (2g) de sódio.

A OMS considera que reduzir a ingestão de sal e do conteúdo de sal nos alimentos é uma das intervenções consideradas mais custo-efetivas, ou seja, ações consideradas “melhores apostas”, que devem ser executadas imediatamente para que produzam resultados acelerados em termos de vidas salvas, doenças prevenidas e custos altos evitados.

O consumo excessivo de sódio contribui para o desenvolvimento de Doenças Crônicas não Transmissíveis (DCNT), tais como a pressão alta, doenças cardiovasculares e doenças renais, que atualmente são um dos principais problemas de saúde pública do Brasil.

Segundo dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) 2008-2009, na faixa etária de 19 a 59 anos, a ingestão de sódio está acima do nível seguro para ambos os sexos: em 85% dos casos é elevada para homens; e em 70% para mulheres, nas áreas urbanas. Entre os pré-adolescentes, faixa etária de 10 a 13 anos, 83% consomem sódio acima do nível tolerável. O sódio representa aproximadamente 40% da composição do sal. Além disso, é considerado um nutriente de preocupação de saúde pública que está diretamente relacionado ao desenvolvimento das Doenças Crônicas não Transmissíveis: hipertensão, doenças cardiovasculares e doenças renais.
Segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia, a redução no consumo de 12g para 5g de sal ao dia impacta em 15% menos óbitos por acidente vascular cerebral, 10% menos óbitos por infarto, 1,5 milhões de pessoas livres de medicação por hipertensão e mais 4 anos na expectativa de vida de indivíduos hipertensos.

Já dados do IBGE indicam que, em 2009, uma em cada três crianças brasileiras na faixa de 5 a 9 anos estava com sobrepeso, sendo que a obesidade atingiu 16,6% dos meninos e 11,8% das meninas.  Durante o período de 1974 a 2009, a prevalência de sobrepeso em crianças e adolescentes, entre 10 e 19 anos, passou de 3,7% para 21,7% no sexo masculino e de 7,6% para 19,4% no sexo feminino. Nesse mesmo período, o sobrepeso na população adulta masculina passou de 18,5% para 50,1%, enquanto que na feminina foi de 28,7% para 48%.

 

1.3. Por que o pão francês foi escolhido para iniciar a redução de sódio?

A Anvisa em conjunto com o Ministério da Saúde está trabalhando em várias frentes para a redução do sódio nos alimentos e a conscientização da população quanto ao consumo de produtos com menor teor de sódio. O Ministério da Saúde assinou, em 13 de dezembro de 2011, o segundo termo de compromisso com as associações das indústrias de alimentos e com o Presidente da Associação Brasileira da Indústria de Panificação e Confeitaria (ABIP), para redução do teor de sódio em vários produtos.

O pão francês foi o primeiro alimento escolhido para ter um Guia de Boas Práticas Nutricionais (BPN) por ser um dos alimentos que mais contribui para a ingestão de sódio, pois é tradicionalmente consumido no café da manhã e, às vezes, no lanche (é um dos alimentos mais consumidos pela população brasileira, segundo dados da POF/IBGE 2008-2009).

O Guia de Boas Práticas Nutricionais para Pão Francês orienta as padarias no preparo do pão para a redução da quantidade de sal. O guia é de adoção voluntária, e a meta é reduzir, progressivamente, a quantidade de sódio adicionada ao pão francês em 10% até 2014. Assim, uma unidade de pão francês (50g) que, em 2011, tem em média 320mg de sódio, deverá ter 304mg em 2012, e 289mg em 2014.

Este documento está disponível para consulta no portal da Anvisa (www.anvisa.gov.br), em Alimentos (menu “proteção à saúde”, à esquerda da página) > Boas Práticas Nutricionais (menu “assuntos de interesse”).

 

1.4. Quantidade de sódio dos alimentos

Um estudo divulgado em 16 / 10 / 2012 pela Anvisa analisou a quantidade de sódio contida em determinados alimentos, conforme abaixo.

A pesquisa desenvolvida analisou a quantidade de sal em 496 amostras de 26 categorias de alimentos, coletados pelas vigilâncias sanitárias estaduais, nos anos de 2010 e 2011, no mercado varejista e em unidades fabris.

Participaram da pesquisa os seguintes estados: Alagoas, Bahia, Distrito Federal, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.

As análises de monitoramento de sódio foram realizadas pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS). Já as análises fiscais, pelos Laboratórios de Saúde Pública dos Estados do Ceará e de Minas Gerais e pelo Instituto Adolfo Lutz (IAL) em São Paulo.

Para maiores informações sobre o estudo, leia o Informe Técnico nº 50 / 2012, localizado no portal da Anvisa (www.anvisa.gov.br) > Proteção à saúde (canto superior esquerdo da tela) > clique em Alimentos > Assuntos de Interesse (canto superior esquerdo da tela) > clique em Informe Técnicos > no centro da tela clique no IT nº 50 – Assunto “Teor de Sódio dos Alimentos Processados”.

 

1.5. Orientação ao consumidor

Além de observar o rótulo dos alimentos industrializados, a Anvisa orienta que o consumidor experimente os alimentos antes de adicionar mais sal. Isso porque,  geralmente, eles já possuem sal adicionado durante a preparação.

Outra dica é realizar a diminuição gradativa do sal nos alimentos.
Também é preciso lembrar que alimentos frescos sempre têm menos sal. Por isso, é necessário equilibrar as refeições com saladas e frutas.

Além disso, a população deve utilizar outros temperos naturais como ervas aromáticas, alho, cebola, pimenta, limão, vinagre e azeite para temperar e valorizar o sabor natural dos alimentos, evitando o uso excessivo de sal.

 

1.6. Diferença do teor de sódio entre os alimentos analisados em mg / 100g e mg / 100ml

Alimento Média Maior valor Menor valor Diferença
Queijo parmesão ralado 1981 2976 1100 2,7
Macarrão instantâneo 1798 2160 1435 1,5
Queijo parmesão 1402 3052 223 13,7
Mortadela 1303 1480 1063 1,4
Mortadela de frango 1232 1520 943 1,6
Maionese 1096 1504 683 2,2
Biscoito de polvilho 1092 1398 427 3,3
Bebida láctea 92,7 114,7 73 1,6
Salgadinho de milho 779 1395 395 3,5
Biscoito água e sal 741 1272 572 2,2
Biscoito cream cracker 735 1130 437 2,6
Hambúrguer bovino 701 1120 134 8,4
Batata frita ondulada 624 832 447 1,9
Pão de queijo congelado 582 782 367 2,1
Queijo muçarela 577 1068 309 3,5
Queijo prato 571 986 326 3,0
Pão de queijo 558 830 105 7,9
Queijo minas padrão 546 673 290 2,3
Queijo minas frescal 505 1819 126 14,4
Batata palha 472 719 250 2,9
Biscoito de amido de milho (maisena) 369 477 240 2,0
Biscoito recheado 288 650 130 5,0
Ricota fresca 191 432 41 10,5
Farinha láctea 106 170 20 8,5
Queijo petit suisse 45 62 38 1,6
Refrigerante de guaraná de baixa caloria 12 17 7 2,4
Salgadinho de milho 779 1395 395 3,5

 

 

 

Fonte: ANVISA

Link: https://glo.bo/37O6b1x