Startup quer tirar corantes à base de petróleo da alimentação humana

Fonte: Forbes

A startup com sede em São Francisco (EUA), Michroma, que usa biofábricas de fungos para produzir corantes e sabores naturais de alimentos, acumulou US$ 6,4 milhões (R$ 33 milhões) em uma recente rodada de capital de risco e está atualmente em negociações com pesos pesados ​​da agroindústria, incluindo Danone, Grupo Bimbo e NotCo , para colocar seus produtos no mercado nos próximos dois anos após a aprovação do FDA (Federal Drug Administration).

Cofundada por Ricky Cassini e o doutor Mauricio Braia em 2019, a Michroma utiliza a fermentação de precisão, uma tecnologia cada vez mais popular para recriar proteínas em escala, a fim de extrair corantes de alto desempenho de cogumelos.

“Estamos aproveitando o poder e a versatilidade dos fungos filamentosos com nossa plataforma synbio. Ao combinar uma cepa única de fungo com fermentação de precisão, somos capazes de produzir moléculas complexas de alto valor, com altos rendimentos, nunca antes vistos na indústria de biotecnologia”, disse o Braia em um comunicado.

Até agora, a empresa desenvolveu um novo corante vermelho resistente à temperatura e estável em todo o espectro de pH alimentar, chamado Red+, com variantes azul e branco ainda em desenvolvimento. Essas características, afirma a Michroma, permitem que suas cores sobrevivam a processos intensivos como pasteurização, cozimento e extrusão – uma grande vantagem em comparação com outros corantes naturais, como betalaínas, ácido carmínico e antocianinas.

Outras alternativas naturais, no entanto, como os insetos, por exemplo, não são adequadas para consumidores veganos ou, pior ainda, corantes sintéticos aprovados pelos EUA que são normalmente feitos com petróleo, para confeitos e produtos de panificação e que representam riscos significativos à saúde. Mais recentemente, defensores da saúde pública e cientistas pediram ao FDA para restringir ainda mais o uso do Red 3, um corante sintético à base de petróleo que já está proibido de ser usado em cosméticos, alimentos, medicamentos ingeridos e suplementos.

Essas vantagens são um bom presságio para a Michroma, em meio à crescente demanda do consumidor por produtos naturais e de rótulo limpo, antecipam os pesquisadores de mercado, já que o mercado global de corantes alimentares naturais de US$ 2 bilhões (R$ 10,3 bilhões na cotação atual) deve crescer a um CAGR de 7,4% na próxima década, atingindo US$ 4,1 bilhões (R$ 21 bilhões) em 2023.

“Nossos produtos veganos, Kosher e Halal certificados são mais estáveis ​​do que as soluções naturais atuais”, disse Cassini, “e somos mais eficientes, pois podemos produzir em nossos biorreatores em quatro dias, o que resulta em uma redução de 90% no uso de água . Também controlamos todas as condições do meio de cultivo, eliminando o uso de pesticidas e agroquímicos.”

A sustentabilidade também está no centro do negócio da startup, uma vez que alimenta fungos com resíduos da indústria agrícola. “Os cogumelos são os melhores decompositores da natureza”, acrescentou Cassini. “Dessa forma, podemos recriar resíduos em ingredientes de alto valor.”

Tendência favorável para a biotecnologia
Depois de levantar seu financiamento inicial, liderado pela Supply Change Capital, um venture capital de tecnologia de alimentos apoiado pelo braço de risco da General MillsGIS 301 Inc, chegaram outros investidores para apoiar a startup – o conglomerado global de alimentos Be8 Ventures, apoiado pela Dr. Oetker; e CJ CheilJedang, um gigante coreano de US$ 23 bilhões (R$ 118 bilhões) que fornece bioprodutos baseados em fermentação em todo o mundo, a Michroma planeja dobrar o número de seus funcionários, atualmente em 15; expandir P&D para desenvolver sabores naturais; e industrializar ainda mais sua plataforma fúngica.

Outros investidores da startup incluem FEN Ventures, Boro Capital, The Mills Fabrica, Portfolia’s Food & Ag Tech Fund, New Luna Ventures, Siddhi Capital, Groundswell Ventures e HackCapital; e investidores anjos como Allen Miner, Jun Ueki e Steve Zurcher do Fórum Keiretsu Japan, Guillermo Rosental, Franco Goytia, Pablo Pla e Mat Travizano. Outros investidores são a são IndieBio e GRIDX da SOSV.

O diretor-gerente da Supply Change Capital, Noramay Cadena, que se tornou membro do conselho da Michroma após investir na startup, comentou: “”Vemos um mercado atraente e um potencial de consumo para a plataforma de fungos da Michroma para criar ingredientes naturais de próxima geração, de corantes a sabores, que são mais saudáveis ​​e sustentáveis, ao mesmo tempo em que maximizam a eficiência da produção. Estamos entusiasmados com a velocidade e a habilidade com que desenvolvem suas capacidades. Ainda mais, à luz da atual interrupção das cadeias de suprimentos em todo o mundo, acreditamos que a Michroma está lançando a base para os ingredientes sustentáveis ​​do futuro.”

A Michroma atualmente terceiriza sua produção na Europa e espera eliminar os obstáculos regulatórios dos EUA nos próximos dois anos, refletindo a atual posição do FDA sobre carne cultivada, de acordo com a Cassini. “Há uma tendência para a biotecnologia agora, e ambos os setores são semelhantes no processo de produção – um é a fermentação de células de mamíferos e o outro é a fermentação de bactérias, leveduras ou fungos”, explicou. “Mas também há um processo específico para aprovar cores nos EUA”, para garantir a segurança. “Meu sonho”, disse Cassini, “é distribuir nossos ingredientes naturais a empresas de todo o mundo”.

Search

Notícias Relacionadas