Vocês Sabem O Que É Navalha De Occam?

 

 

Pois é, eu não sabia até pouco tempo atrás.

 

Sempre utilizei o conceito intuitivamente quando explicava aos meus clientes sobre os requisitos da ISO – elaboração de procedimentos, descrição e avaliação de processos, gerenciamento de mudanças e criação de planos de ação – e não sabia que plagiava alguém.

 

Agora, tenho chance de me redimir e dar os devidos créditos a Aristóteles, que já utilizava o princípio, em seus textos, em 4 A.C. Mas quem o popularizou, foi o inglês William da cidade de Ockham (ou Occam) (ca. 1285-1349).

 

O conceito criado por Aristóteles e usado por Occam se baseia no princípio da parcimônia ou da pluralidade desnecessária que diz, “quanto mais perfeita uma natureza, menos meios necessita para a sua operação.”

 

Se o termo ‘Ockham’ vem da cidade de seu criador, o termo ‘Navalha’ vem do pressuposto de cortar tudo aquilo que é excedente.

 

Várias frases de cientistas e intelectuais famosos tem relação com a Navalha de Occam. Einstein, por exemplo, dizia que “tudo deve ser feito da forma mais simples possível, mas não mais simples que isso”. Michelangelo, ao fazer uma escultura “simplesmente retirava do bloco de mármore tudo que não é necessário”. Antoine de Saint-Exupéry, autor do Pequeno Príncipe, disse “a perfeição é alcançada não quando não há mais nada para adicionar, mas quando não há mais nada que se possa ser retirado”.

 

Atual e coloquialmente, tem-se o famoso KISS – Keep IT Stupid Simple, ou seja, mantenha as coisas estupidamente simples. Normalmente, utilizado nas industrias.

 

O uso deste princípio, como quer que ele seja chamado, é muito importante quando estamos tratando de Sistemas de Gestão. A implantação de um Sistema de Gestão (de qualquer tema: qualidade, meio ambiente, saúde e segurança…) tem como objetivo primordial a sistematização dos procedimentos de gerenciamento e operacionalização dos processos de uma organização. Assim, todos sabem o que fazer, como fazer e quando fazer. Padronizando os procedimentos e garantindo que todos saibam como agir, a probabilidade de falhas diminui muito.

 

Por esta razão, os requisitos da ISO devem ser incorporados, da melhor maneira possível, aos procedimentos operacionais já existentes na organização. Devemos evitar procurar por soluções excessivamente complexas, e focar naquilo que funciona na prática, dada a realidade da organização.

 

Não há receita pronta. Não há certo ou errado (na maneira de como fazer). Há apenas o que é melhor para a organização.

 

Lembrem-se “cada organização é uma organização” – “cada processo é um processo”. O que serve para uma organização pode não servir para outra.

 

A Navalha de Occam pode ser usada em várias situações como um meio de tomar decisões rápidas e estabelecer premissas sem evidências empíricas. Ela funciona melhor como um modelo mental para fazer conclusões iniciais antes da obtenção de todas as informações referentes.

 

Assim, quando você se deparar com argumentos conflitantes que parecem igualmente válidos, escolha aquele que se baseia no menor número de premissas e pode ser reduzido ao máximo.  Isso porque teorias simples são mais fáceis de verificar e soluções descomplicadas são mais fáceis de executar. Se não funcionar, parta para o plano B: veja o que não faz sentido no plano A e aja no problema.

 

Se mesmo assim, sua organização ainda tiver dúvidas, conte conosco!

 

 

 

Fonte: ECOCLASS

Link: https://bit.ly/3aTI0kd