Como fica a auditoria e a certificação FSSC, IFS, BRC durante a pandemia do COVID 19?

Por: Keli de Lima – BRQuality

 

Este é um questionamento que as empresas que estão com auditorias agendadas para os próximos meses devem estar fazendo. Algumas empresas já estão com a auditoria agendada, mas e aí? Essa data será mantida?

O assunto ainda está muito recente e a posição do GFSI sobre alterações conforme o cenário mundial da pandemia é de que as empresas devem entrar em contato com as certificadoras para questionar sobre o posicionamento e a orientação estabelecida por ela. No entanto, é necessário que cada empresa leve em consideração as orientações da OMS, bem como as orientações/regulamentações estabelecidas pelas autoridades, sejam elas nacionais, estaduais, municipais ou estatutárias, e com base nestas orientações deve-se iniciar a conversa com a Instituição de Certificação.

Para elucidar sobre o assunto e fortalecer as decisões que cada certificadora está tomando, de acordo com a localidade de cada empresa certificada, transcrevemos abaixo o posicionamento do GFSI, o qual orienta as decisões para FSSC, IFS, BRC e as demais normas reconhecidas pelo GFSI.

 

Posicionamento do GFSI (Global Food Safety Initiative)

O GFSI está monitorando a pandemia do COVID 19 e anunciou um conjunto de medidas projetadas para salvaguardar a confiança do consumidor e, ao mesmo tempo, atenuar o risco para quem trabalha na linha de frente da segurança dos alimentos diante de desafios sem precedentes. Estas medidas podem sofrer alteração, de acordo com o cenário mundial, e por isso é importante acompanhar as notícias no site do GFSI para verificar se houve modificação nas suas orientações e em caso positivo verificar se estas alteram as decisões nacionais do Organismo de Certificação.

No momento as orientações do GFSI são:

Quaisquer certificados que foram reemitidos após algo que não seja uma auditoria padrão (ou seja, auditoria virtual ou remota), não serão reconhecidos pelo GFSI. Qualquer site que acredite ter sido certificado novamente desde o início da crise do COVID-19 virtualmente ou remotamente deve entrar em contato com o organismo de certificação para solicitar esclarecimento.

Nenhuma nova certificação do local pode ocorrer, a menos que uma auditoria pessoal padrão possa ser realizada em sua totalidade.

Segundo o GFSI, estamos operando em tempos desafiadores e é essencial que nos movamos de forma coletiva e coerente para garantir que alimentos seguros possam continuar sendo fornecidos em um momento de demanda sem precedentes. Em caso de dúvidas o GFSI recomenda que o interessado faça contato direto com a origanização.

O GFSI se compromete em manter sua posição sob revisão contínua e solicita que as partes interessadas verifiquem o site do GFSI regularmente à medida que a situação evolui.

O Comitê Técnico do GFSI acordou com o Conselho dos Organismos de Certificação, que os CPOs, que desejam cumprir com as orientações do GFSI durante este período de crise, são aconselhados a proceder da seguinte forma:

  • Siga o IAF ID3: 2011 Gerenciamento de eventos extraordinários ou circunstâncias que afetam as AB, CB e organizações certificadas ”.
  • CPOs e OCs devem seguir os requisitos estipulados pela regulamentação nacional aplicável para gerenciar o surto de COVID-19; se esses diferirem do conteúdo desta posição, os requisitos regulamentares prevalecem.
  • Para a China, siga as orientações publicadas pela CNCA http://www.cnca.gov.cn/xxgk/zxtz/2020/202002/t20200204_57628.shtml
  • As certificadoras devem revisar se existe a possibilidade de usar auditores de outras regiões que não têm restrições de viagens.
  • Os CPOs têm deve seguir uma das seguintes opções, quando as auditorias puderem ser realizadas em sites certificados:
    • Siga o processo conforme orientação aqui estabelecida para estender o certificado.
    • Deixe o certificado expirar.
  • Para países e / ou regiões, onde os sites não podem ser visitados devido a restrições de viagem, as seguintes considerações são recomendadas para determinar se uma extensão de certificado pode ser concedida:
    • O OC deve demonstrar completamente que não há outra possibilidade senão estender o certificado.
    • Se uma extensão for concedida, todas as decisões e procedimentos que levaram à extensão do certificado deve ser totalmente documentado e com base em avaliações de risco, conforme indicado no IAF ID3:2011.
    • Reavaliação contínua pelo OC da capacidade do site certificado de aceitar uma auditoria no local deve ser mantida e uma auditoria deve ser realizada o mais cedo possível.
    • A extensão do certificado pode durar um período de até 6 meses. O GFSI continuará monitorando entretanto, a situação do COVID-19 para determinar se são necessárias ações adicionais.
    • O GFSI também tentará publicar atualizações mensais.
    • Os CPOs devem ter um sistema para rastrear por quanto tempo a extensão do certificado está concedido e para quais sites.

Depois que a restrição de viagem for levantada, as auditorias devem ser reagendadas e os BCs devem estabelecer procedimentos para determinar, através de uma avaliação de risco, a ordem pela qual o reagendamento das auditorias deve iniciar.

Os CPOs deverão enviar sua avaliação de risco para conceder uma extensão de certificado ao GFSI.

O GFSI organizará um fórum especificamente com o objetivo de explorar opções para auditoria não padrão (remoto, virtual) que poderá acontecer dependendo da extensão da crise do COVID-19.

Entre em contato com sua certificadora para saber como proceder, caso seja possível, eles manterão a auditoria, não sendo possível, uma orientação para o preenchimento do Risk Assessment será repassada para sua empresa, lembre-se que esta análise de risco deve estar pautada no documento da IAF (International Accreditation Forum , o documento IAF ID3: 2011.

 

Referencia:

Documento na íntegra: https://o6sjjr51c02w1nyw2yk6jvmw-wpengine.netdna-ssl.com/wp-content/uploads/2020/03/GFSI-Position-on-COVID-19.pdf

Site GFSI: https://mygfsi.com/