Produtividade

 

 

Produtividade – tão falada e desejada.

 

E desde que começamos a trabalhar remotamente, forçados pela pandemia, o tópico ganhou mais espaço ainda como tópico de discussão.

 

Do ponto de vista gerencial, liderar remotamente é um desafio. A linha entre subestimar ou superestimar o volume de trabalho é muito tênue.

 

Com os colaboradores dentro da empresa, é possível simplesmente visitar as pessoas em suas mesas para entender melhor o que estão fazendo, se há entraves, como eles estão. Porém, com os colaboradores trabalhando de forma remota, os lideres precisam ajudar neste autogerenciamento de demandas, ser proativos no contato com os liderados, exercitarem a empatia e confiança, para manter a roda dos projetos girando, o cumprimento de metas e o essencial engajamento.

 

Do ponto de vista dos colaboradores está literalmente uma loucura. Novos pratos para serem equilibrados, vida pessoal e profissional convivendo num espaço que provavelmente não estava preparado para tal. Além das questões de infraestrutura física, responder a tantas demandas parece impossível. Devemos sim considerar uma perda de meses de produtividade por causa das  responsabilidades adicionais com os cuidados infantis e domésticos, que recaem mais fortemente sobre as mulheres. Varias pesquisas comprovam isso e vou citar apenas uma! O neuropisicologo Antonio Serafim, do Insitituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da FMUSP (Faculdade de Medicina da USP) conduziu estudos que ouviu três mil voluntários de várias regiões do País (26 Estados brasileiros e do Distrito Federal). Esse estudo mostrou que um número grande de pessoas apresentou, durante a pandemia, sintomas de depressão, ansiedade e estresse. As mais afetadas emocionalmente foram as mulheres, respondendo por 40,5% de sintomas de depressão, 34,9% de ansiedade e 37,3% de estresse.

 

Acredito que nada do que disse é novidade! Então, como nos manter produtivos?

Vamos dar um passo atrás.

 

O que seria produtividade?

Pelo dicionário:

  1. Qualidade ou condição do que é produtivo.
  2. Potencial para produzir.
  3. Quantidade produzida de determinado item.
  4. Taxa de produção física obtida num determinado período de tempo, considerando-se o fator utilizado: terra, trabalho ou capita.
  5. Biomassa criada numa dada área ou ecossistema, por um período específico.

 

E  o que significa produtivo:

  1. Relativo a produção.
  2. Que produz; frutífero, producente.
  3. De grande fertilidade; fecundo.
  4. Quer traz proveito ou que rende; rentável.

 

Várias palavras me chamaram atenção, e o fato de nenhuma delas ser relativo exclusivamente a pessoas.

 

Então vamos usar hoje o conceito de produtividade de James Clear, autor de Habitos atomicos. Para ele, produtividade é uma medida da eficiência de uma pessoa para concluir tarefa e priorizar o que é importante. Produtividade não é somente fazer as coisas, e muitas vezes presumimos que é isso: lotar a to do list. James afirma que Produtividade é fazer coisas importantes de forma consistente. E não importa no que você esteja trabalhando, existem apenas algumas coisas que são realmente importantes. Ser produtivo é manter uma velocidade média constante em algumas coisas, não a velocidade máxima em tudo.”

 

Neste mundo BANI acelerado, é um desafio, mas é sim, possível.

 

Uma vez li uma citação de Mahatma Gandhi: “A vida é muito mais do que viver cada vez mais rápido”. E se a gente segue lotando nossa agenda e lista de tarefas, entramos num fluxo de estresse sem fim.

 

Em paralelo, o numero de distrações a nossa volta cresce a todo instante.

 

Vamos refletir juntos:

 

– Você se distrai com facilidade? Já verificou quantas vezes desbloqueia o celular para ver “nada”? So pelo habito. E que péssimo habito! Ou o tempo não previamente programado que passa em redes sociais? E não tem ninguem te orientando a fazer isso, certo?

 

Então, o primeiro ponto que falo é: as distrações começam dentro da gente e reconhecer isso é o passo 1 para uma vida com mais sentido. A parada para ir ate a cozinha comer algo nem sempre esta de fato relacionada a fome.

 

Identificar o que nos faz parar, o porque dessa necessidade de parada, e o quanto isso é prejudicial a nossa produtividade é fundamental.

 

E um parênteses: não tenho nada contra redes sociais e paradinhas estratégicas para café. Não quero que você preencha cada minuto do seu dia com produtividade. Só me preocupo com o impacto que o excesso de distração pode trazer. Com o modo automático de desperdiçar tempo. E tempo não é dinheiro, tempo é vida.

 

E sobre os excessos: Eles estão por todo lado! Consumismo e excessos por todo lado. Estar ocupado é uma desculpa a nós mesmos e aos outros para não fazer o que é realmente importante, e podem ser as coisas mais difíceis. 99% das pessoas que conheço respondem estar sem tempo para nada quando pergunto como vai a vida. Será mesmo esse o novo normal da vida?

 

Acredito que há também uma mal enraizado no qual estar ocupado é sinal de ser importante e fazer um trabalho fundamental.

 

A reflexão que trago sobre produtividade não é para que você faça mais e mais coisas sem parar, terminando tarefas mais rápido e melhor, ou que terceirize sua vida. Mas que você olhe com sinceridade para a forma como tem usado seu tempo, corrija a rota, reavalie constantemente e se aperfeiçoe. Sabe porque? Ai trarei mais uma citação, da escritora Annie Dillard, a maneira como passamos o dia é, claro, a maneira como passamos a vida”… e nem sempre a gente se da conta disso.

 

Sair do automático, sair do comportamento padrão obcecado por mais e lotado de distrações, para que você determine as regras do jogo.

 

Encontre um método que se adeque a sua realidade para que possamos nos fazer presentes de forma consciente e curtir a jornada. E atenção, gestores tem responsabilidade dupla nesta tarefa. Sim, mais uma tarefa.

 

E por falar em tempo, obrigada pelo seu.

 

Vamos juntos construir um novo normal diferente!

 

 

Por: Juliana Faria Salomão