Rotulagem nutricional: quais as novidades estão a caminho?

Autora: Fernanda Dulço -Técnica em laticínios e bacharel em administração

A rotulagem nutricional é a parte do rótulo onde se encontram as informações de composição do produto, como: valor energético, teores de carboidratos, proteínas, gorduras totais, gorduras saturadas, gorduras trans, fibras alimentares e sódio. Atualmente alguns consumidores fazem suas escolhas a partir do conhecimento das características nutricionais básicas dos alimentos, contidas na tabela nutricional do mesmo. No entanto, é sabido que grande parte da população brasileira tem muita dificuldade para compreender as informações ali contidas e uma parcela considerável não compreende nada ou muito pouco da mesma.
Diversos estudos foram realizados e alguns aspectos foram levantados como fatores que contribuem para a ineficácia da informação nutricional brasileira, como: localização da tabela nutricional sem realce na parte traseira ou lateral do rótulo, letras e números com tamanho pequeno, contraste inadequado, excesso de informações, linguagem científica, técnica e matemática, formato pouco atrativo e competitivo e estar dissociada de outras informações de composição.
Com o aumento das doenças crônicas relacionadas à alimentação no Brasil como obesidade, hipertensão e diabetes, a ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária está propondo medidas regulatórias mais eficazes com o intuito de garantir à população informações mais claras e precisas. Desta forma, ela definiu seis objetivos específicos: aperfeiçoar a visibilidade e legibilidade das informações nutricionais; facilitar a compreensão dos principais atributos nutricionais dos alimentos; reduzir as situações que geram engano quanto à composição nutricional; facilitar a comparação nutricional entre os alimentos; aprimorar a precisão dos valores nutricionais declarados e ampliar a abrangência das informações nutricionais. Com isso, ela espera contribuir para escolhas alimentares mais saudáveis.
Em relação à proposta de mudança, a sugestão pela Agência foi: alterar a base de declaração dos valores nutricionais para 100g ou ml; modificar a lista de nutrientes de declaração obrigatória para excluir as gorduras trans e para incluir os açúcares totais e adicionados; restringir os nutrientes declarados à lista de declaração obrigatória e aos nutrientes objeto de fortificação e alegações; manter a declaração do %VD, atualizando os valores de referência e alterando a nota de rodapé para indicar quais %VD são considerados altos e baixos. Além destas, outra mudança sugerida é a adoção de um modelo de rotulagem nutricional frontal que seja obrigatória, complementar à tabela nutricional e informe o alto teor de açúcares adicionados, gorduras saturadas e sódio, de forma simples, ostensiva e compreensível, devendo utilizar cores, símbolos e descritores qualitativos. O modelo de perfil nutricional que deve ser utilizado na rotulagem nutricional frontal é aquele elaborado pela Agência, que faz a seguinte classificação: alto teor de açúcares adicionados (≥ 10 g para sólidos e ≥ 5 g para líquidos), gorduras saturadas (≥ 4 g para sólidos e ≥ 2 g para líquidos) e sódio (≥ 400 mg para sólidos e ≥ 200 mg para líquidos).
O modelo ideal de rotulagem nutricional ainda não está definido e ainda não há consenso regulatório e científico sobre os modelos que seriam mais efetivos. Em  nível mundial, observa-se que muitos países têm adotado ações para facilitar a utilização das informações nutricionais pelos consumidores, sendo que a implementação de modelos de rotulagem nutricional frontal em
complementação à tabela nutricional tem sido a principal solução explorada, pois eles trazem como premissa básica comunicar aos consumidores, de forma simples, visível e facilmente compreensível, os principais atributos nutricionais dos alimentos.
Mundialmente falando não existe uma padronização das apresentações gráficas, tipos de mensagens, perfis nutricionais, alimentos cobertos e formas de implementação para a rotulagem nutricional, mas é notório uma tendência recente na adoção de modelos de rotulagem nutricional semi interpretativos, como semáforos e alertas, que focam na qualificação do teor dos nutrientes de maior relevância para a alimentação e saúde.

Em maio deste ano, a ANVISA publicou o Relatório Preliminar de Análise de Impacto Regulatório sobre Rotulagem Nutricional com sua avaliação sobre as regras de rotulagem nutricionais, apresentando o quadro atual e o que precisa ser mudado. Com o objetivo de possibilitar a participação social, este relatório foi submetido à Tomada Pública de Subsídio (TPS) para o recebimento de críticas, sugestões e contribuições das pessoas envolvidas e da sociedade. A TPS é mecanismo de consulta, que não é um processo de votação ou enquete, que está sendo realizado por meio de formulário eletrônico, com perguntas objetivas sobre o Relatório Preliminar de AIR. O prazo inicial da TPS era de 45 dias, que se encerrava em 9 de julho, mas teve seu prazo estendido até o dia 24 de julho de 2018.

 

Referência  Bibliográfica:

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Gerência Geral de Alimentos, maio de 2018. Relatório Preliminar de Análise de Impacto Regulatório sobre Rotulagem Nutricional, 2018.

Search

Artigos Relacionadas

Exemplos de APPCC para Carnes

Por: Keli Lima Neves Em todos os meus treinamentos sobre APPCC, sempre deixo claro que não há uma receita para construção do Sistema de APPCC.

Agenda ANVISA 2024-2025

Por: Keli Lima Neves Para você se preparar com os temas que serão trabalhados pela ANVISA em 2024 e que podem trazer alterações nas práticas

A BRQuality é uma empresa focada em desenvolver soluções criativas junto aos seus clientes, oferecendo treinamentos e consultorias personalizados, desmistificando e descomplicando o que parece difícil, deixando as equipes preparadas para dar continuidade nos programas e entender sua interação na cadeia de alimentos de forma responsável.