Sensor portátil pode permitir o monitoramento da água em casa

O sensor é eficaz e de fácil utilização expande as fronteiras da detecção fora dos laboratórios, capacitando os indivíduos a identificarem substâncias químicas em líquidos, com ênfase na água.

Fonte: Jornal da USP

Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) desenvolveram um sensor portátil que promete revolucionar a forma como acompanhamos os compostos químicos em líquidos, especialmente aqueles que podem impactar a segurança da água que consumimos no dia a dia. 

Este dispositivo, resultado de uma pesquisa financiada pela Fapesp, está agora em processo de patenteamento. Os resultados foram reconhecidos pela Royal Society of Chemistry (Reino Unido) e publicados na renomada revista Sensors & Diagnostics.

Como o sensor é fabricado?

Esse sensor é fabricado com papel e nanopartículas de ouro sintetizadas por laser e foi desenvolvido para facilitar e baratear a produção de dispositivos que permitem identificar, fora do laboratório, compostos químicos presentes em líquidos, incluindo aqueles que podem comprometer a qualidade da água que consumimos. 

A um custo unitário de pouco mais de R$ 0,50, o sensor descartável tem como principal vantagem o fato de poder ser reproduzido em qualquer lugar do mundo, em larga escala, não dependendo de etapas “caseiras” (que demandam manuseio humano), o principal gargalo da indústria. A tecnologia ainda está em processo de patenteamento. 

Leia mais sobre Nova Era de Segurança dos Alimentos

Os resultados do estudo

Os resultados do estudo, destacados pela Royal Society of Chemistry (Reino Unido) em sua conta no X (antigo Twitter), foram publicados em artigo na revista científica Sensors & Diagnostics. As nanopartículas do dispositivo foram fabricadas por meio de uma síntese com laser, retirando do processo a manipulação humana, que eleva o custo de produção. Isso possibilita a fabricação em larga escala, e o laser carboniza a superfície do papel, transformando a celulose em carbono e, com uma gota de solução de ouro, forma-se um nanomaterial na superfície.

As nanopartículas de ouro sobre o papel são as responsáveis pela reação eletroquímica que identifica as substâncias presentes no líquido. Segundo o pesquisador, também melhoram consideravelmente o desempenho em relação àqueles feitos por meio de serigrafia, impressão a jato de tinta, pulverização catódica e desenho a lápis, entre outros, pois garantem mais especificidade na detecção de espécies químicas frente a outras no mesmo ambiente. Outra vantagem é se tratar de um produto sustentável: feito de papelão, pode incluir material reaproveitado e subutilizado e não lança mão de reagentes químicos tóxicos nas reações, ao contrário dos procedimentos mais comuns para a fabricação de sensores. 

Leia mais sobre o estudo e suas diversas utilidades clicando aqui.

 
 
 
Search

Artigos Relacionadas

Exemplos de APPCC para Carnes

Por: Keli Lima Neves Em todos os meus treinamentos sobre APPCC, sempre deixo claro que não há uma receita para construção do Sistema de APPCC.

Agenda ANVISA 2024-2025

Por: Keli Lima Neves Para você se preparar com os temas que serão trabalhados pela ANVISA em 2024 e que podem trazer alterações nas práticas

A BRQuality é uma empresa focada em desenvolver soluções criativas junto aos seus clientes, oferecendo treinamentos e consultorias personalizados, desmistificando e descomplicando o que parece difícil, deixando as equipes preparadas para dar continuidade nos programas e entender sua interação na cadeia de alimentos de forma responsável.